Fique por dentro:

Portuguese English Spain

Rua Direita, 92, Centro
Guaraciaba-MG - (31) 3893-5130
  • 02
  • 01
  • 03

Últimos editais

BOI LARANJA PDF Imprimir E-mail

Uma das apresentações culturais mais expressivas de Guaraciaba é conhecida como folguedo do “Boi Laranja”. O folguedo é realizado, ha mais de 135 anos, anualmente no domingo de páscoa e conta com a participação e promoção de pessoas da comunidade que disponibilizam seu tempo para “pedir” nos comércios balas, amendoins e foguetes que são utilizados na hora em que o “Boi Laranja” sai às ruas para ser festejado.

Todo processo de montagem do “Boi” começa nas roças ou fazendas de Guaraciaba quando ocorre o abate de um bovino; é nesse momento que é retirada a cabeça do animal para que possa ser higienizada, retirado o couro e levado à cidade para enfeitar e pintar. Nesse processo pede-se para conservar a cabeça em seu estado original, ou seja, com os chifres, o focinho e o restante da carcaça para que se tenha firmeza na hora de engessar.

Depois de enfeitada, a cabeça é afixada a um balaio feito de taquara que dá formato ao corpo do “Boi” e que é coberto por chitão bem colorido para chamar a atenção e dar mais alegria à manifestação. Segundo a professora Carminha Lourenço, “Sempre foi a mesma figura: o seu corpo é feito com balaio de taquara em forma retangular. A esse balaio prende-se um babado de chitão, sempre estampado com flores amarelas ou laranjas.” 

Mas o “Boi” não sai às ruas, sozinho, com ele saem também as “catirinas” que são pessoas vestidas com roupas, que também, são confeccionadas com chitão bem colorido para chamar a atenção. As “catirinas” são homens vestidos de mulher que saem à frente do boi animando as pessoas jogando balas e amendoins para que no momento em que os espectadores se distraem com a oferenda o “Boi” faz suas investidas inesperadas chifrando e derrubando as pessoas.

Vem acompanhado também com uma banda composta de sanfona, triângulo, violão e pandeiro no qual seus integrantes tocam e cantam a seguinte canção interagindo com os participantes:

“Meu Boi é Laranjo! (os espectadores respondem) Êi boi!

Meu Boi é dourado! Êi boi!

Meu Boi é bonito! Êi boi!

Meu Boi é Laranjo! Êi boi”

 

A musica acima possui uma versão mais recente:

 

“Meu Boi é Laranjo! (os espectadores respondem) Êi boi TURURÚ TUTÚ!

Esse boi não me pega! Êi boi TURURÚ TUTÚ...”

 

Em seu livro, “Guaraciaba: Fragmentos Históricos e Sociais”, Carmen Guimarães Lourenço relembra que “em tempos antigos o ‘Boi Laranjo’ vinha do turvo; saía da casa do Sr. Vicente, pai de Turico. Todos os seus componentes traziam uma vela acesa na mão. Quando apareciam no alto do “Morro do Galho”, o povo que esperava na praça, se alegrava com o espetáculo de luzes, apagando a escuridão”.

Ainda hoje o “Boi” assusta muita gente e muitas pessoas vêm de outros Estados para participar desse bem cultural que é tombado pelo COMPAC (Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Cultural).